Fórum Oficial da ANASP

Bem-vindo ao Fórum Oficial da ANASP, Fundada em 2009 | Associação Nacional Agentes Segurança Privada | Portugal

Registe-se, conecte-se e contribua no melhor fórum de divulgação da Segurança Privada.

Visite-nos no Site Oficial ANASP em www.anasp.pt.vu

ANASP nas Redes Sociais

Siga-nos nas principais redes sociais e acompanhe todas as novidades!

FACEBOOK
Subscreva e comente as actividades e notícias da ANASP
Siga aqui https://www.facebook.com/AssociacaoNacionalDeAgentesDeSegurancaPrivada

TWITTER
Ligue-se à maior rede social corporativa do mundo
Siga aqui https://twitter.com/ANASPups

YOUTUBE
Acompanhe e partilhe os vídeos da ANASP
Subscreva aqui http://www.youtube.com/user/ANASPTV
Fórum Oficial da ANASP

Bem-vindo ao Fórum Oficial da ANASP, Fundada em 2009 | Associação Nacional Agentes Segurança Privada | Portugal

ANASP - Associação Nacional Agentes Segurança Privada

"UNIDOS PELO SECTOR"

Sede: Urbanização Caliço, Lote P10, Frente A, 8200 Albufeira (ao lado terminal autocarros Albufeira)
Delegação Faro: Rua Libânio Martins, nº14, Fração B na União de Freguesias da Sé e São Pedro.

Delegação Lisboa:  Rua Abranches Ferrão Nº 13, 1º, 1600-296 Lisboa (Em frente à Loja do Cidadão das Laranjeiras)

Delegação Braga: Rua Dr. Francisco Duarte, 75/125, 1º, Sala 23, C.C. Sotto Mayor – 4715-017 Braga

 (ao lado Segurança Social de Braga, contactar Dra. Eva Mendes)

Telemóvel: 938128328 Telefone: 289048068


Horário de atendimento: Segunda a Sexta: 09h/12h - 14h/17h

Telefone: +351 253 054 799

Telemóvel: /+351 965293868  / +351 936345367(tag) / +351 917838281

Email: geral.anasp@gmail.com

Últimos assuntos

» ofertas emprego
Sex 31 Jul 2015, 14:34 por ANASP

» ofertas emprego
Sex 31 Jul 2015, 14:31 por ANASP

» Ofertas emprego
Sex 31 Jul 2015, 14:28 por ANASP

» Ofertas de Emprego Segurança Privada
Sex 31 Jul 2015, 13:54 por ANASP

» (2)ANASP_Newsletter_23julho
Qui 23 Jul 2015, 14:23 por ANASP

» ANASP_Newsletter_23julho
Qui 23 Jul 2015, 14:16 por ANASP

» (2)ANASP_Newsletter_16julho
Qui 16 Jul 2015, 14:43 por ANASP

» ANASP_Newsletter_16julho
Qui 16 Jul 2015, 14:10 por ANASP

» (2)ANASP_Newsletter_15julho
Qua 15 Jul 2015, 13:58 por ANASP

Galeria


Navegação


    Segurança informática do Estado e do sector privado é “bastante frágil” em Portugal

    Compartilhe
    avatar
    ANASP
    Admin

    Mensagens : 3215
    Reputação : 61
    Data de inscrição : 17/07/2009
    Idade : 37
    Localização : Portugal
    05012011

    Segurança informática do Estado e do sector privado é “bastante frágil” em Portugal

    Mensagem por ANASP

    Segurança informática do Estado e do sector privado é “bastante frágil” em Portugal

    04.01.2011 Por Maria João Lopes


    Na melhor das hipóteses, pelo menos um em cada cinco endereços de IP estatais testados pelo projecto Vigilis, desenvolvido por investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), é vulnerável a ataques que podem pôr em risco a privacidade, integridade e confidencialidade da informação. Na pior, um em dois endereços avaliados é frágil.

    Os investigadores também avaliaram a informação disponibilizada no Facebook Os investigadores também avaliaram a informação disponibilizada no Facebook (PÚBLICO)

    Esta é uma das conclusões do estudo, da responsabilidade do Centro de Investigação em Sistemas da FCTUC, que apresenta dados semelhantes para o sector privado – em ambos, o nível de segurança é considerado “perigoso”, embora o público, numa escala de 0 a 10, esteja nos 4,1 e o privado nos 4. O nível “perigoso” é o segundo patamar da escala, a seguir é considerado “muito perigoso” e, depois, “caótico”.

    De quatro em quatro meses, o que os investigadores deste projecto fazem é correr um programa que detecta diversos tipos de vulnerabilidades, que podem ser divididas em três grandes grupos: possibilidade de roubo de informação; intercepção ou adulteração de comunicações; e comprometimento da segurança de um sistema. São analisados todos os endereços de IP da Internet portuguesa e também 85 mil domínios .pt, alguns dos quais podem apontar para servidores no estrangeiro.

    O universo de testes realizados inclui cerca de cinco milhões de endereços e cerca de 85 mil domínios .pt. Porém, o universo de cinco milhões é, depois, afunilado para cerca de um milhão (endereços considerados "vivos") e, ainda, para cerca de 105 mil (onde foi possível executar pelo menos um teste).

    Foram detectadas 75 mil vulnerabilidades, sete mil das quais dizem respeito a serviços de Web e email com fragilidades no que toca à intercepção de comunicações cifradas – e, entre estas, 1251 dizem respeito a servidores estatais.

    O que o programa usado pelos investigadores não permite é saber quais os organismos estatais que têm servidores vulneráveis. Por questões “éticas”, os investigadores decidiram apenas distinguir os estatais dos privados, mas sem os especificar.

    “Não recolhemos nem divulgamos essa informação. Se o fizéssemos podíamos estar a sustentar actividades criminosas. Se fosse só uma empresa, não havia problema, mas são milhares de organismos. A resolução do problema não ia ser imediata e se não houvesse tempo para resolver o problema, podia haver actividades criminosas”, justifica o coordenador, Francisco Rente.

    O projecto prevê, porém, que uma qualquer entidade, estatal ou privada, que prove ser a responsável pelo servidor, solicite essa informação. Francisco Rente explica que é uma forma de “ajudar o projecto” e de recolher a informação sobre a segurança de um determinado servidor.

    Segundo o coordenador “a segurança informática é bastante frágil” em Portugal. O responsável adianta que, em dois anos de avaliação, “a situação geral tem vindo a piorar”: “Houve um pico, a meio de 2009, em que ainda esteve pior, mas está a piorar…Enquanto cidadão português, não acho nada bom saber que o nosso espaço na Internet tem várias ameaças”, afirma.

    Os investigadores sustentam mesmo que a técnica para esconder informação – chamado esquema de criptografia – é de “tal forma vulnerável” que permite a um possível atacante informático ter acesso a toda a informação e partilhá-la publicamente, como no caso Wikileaks.

    Francisco Rente acredita que uma das razões que justifica a debilidade da segurança informática em Portugal é a falta de preparação técnica dos profissionais, que são, muitas vezes, autodidactas, uma vez que, alerta, faltam “cursos ligados à segurança da informação” nas universidades e institutos portugueses.

    Outras razões são o “facilitismo, a corrupção e o oportunismo”: “Vê-se em concursos [para projectos informáticos], estatais e privados, a troca de interesses. Muitas vezes quem ganha não é sempre a pessoa mais capaz”, alerta

    Portugueses desvalorizam privacidade na Internet

    Outro dos estudos do projecto Vigilis diz respeito à privacidade no Facebook e, segundo o coordenador, Francisco Rente, os portugueses não dão “praticamente nenhuma” importância à privacidade nas redes sociais. No estudo, foram analisados mais de 78 mil perfis do Facebook com acesso completamente público.

    in: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


    _________________
    UNIDOS PELO SECTOR
    Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking


      Data/hora atual: Sex 28 Jul 2017, 14:56